Desafios colocados às organizações de economia social, ao desenvolvimento local e aos territórios no pós 2020

Maria da Saudade Baltazar, Marcos Olímpio dos Santos

Resumo


A motivação subjacente ao conteúdo do texto que se segue, reside na possibilidade do aproveitamento de uma oportunidade para troca de experiências e de informações relacionadas com a exigência de uma adequada capacitação das organizações da Economia Social para melhor responderem aos desafios com que continuam a defrontar-se. 

Para acrescidamente cumprirem os seus compromissos essas organizações encontram-se agrupadas em associações ou estruturas (que decorrem da similitude de várias afinidades), visando dar respostas concertadas a problemas sentidos como comuns. Mas para além desta incontornável medida, as organizações têm de se capacitar internamente para responder o mais adequadamente aos desafios que quotidianamente enfrentam. 

O que se procura, portanto, com este texto, é contribuir para a reflexão e troca de experiências entre representantes dos países lusófonos e hispânicos, sobre questões como: i) quais as estruturas em que se encontram englobadas as organizações da Economia Social, para conjuntamente darem respostas aos problemas comuns? e, ii) como se têm vindo a capacitar essas organizações para assegurar o cumprimento dos compromissos assumidos com utentes, colaboradores e entidades financiadoras?

Os autores apresentam a sua experiência resultante do contacto com a realidade portuguesa, em particular na região Alentejo e mais especificamente no município de Évora, dando conta dos tipos de estruturas aqui existentes, com destaque para a Rede Social Municipal, e apresentando uma revisitada proposta de ferramentas que possibilita às organizações da Economia Social potenciarem a respetiva capacitação, para responderem aos desafios com que têm vindo a confrontar-se e alguns dos quais como já referido se vão manter ou agravar.


Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, V. (2010). “Governação, Instituições e Terceiro Sector: As Instituições Particulares de Solidariedade Social” (Dissertação de Doutoramento). Coimbra: Fa-culdade de Economia da Universidade de Coimbra. Disponível em https://eg.sib.uc.pt/bitstream/10316/13315/1/Tese%20Vasco%20Almeida.pdf. [consultado em 02-10-2014].

Baltazar, S. (2004). “Políticas Sociais: solidariedades Pla-neadas”. In A Questão Social no Novo Milénio - VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências So-ciais, Coimbra: Universidade de Coimbra, 16 a 18 set de 2004.

Comissão Europeia. (2014). HORIZON 2020 em breves palavras. Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias.

Fundação Iberoamericana para a Gestão da Qualidade. (2013). “Modelo Iberoamericano de Excelência Ad-ministrações Públicas”. Madrid: FUNDIBEQ. Dis-ponível em http://www.fundibeq.org/opencms/export/sites/default/PWF/downloads/gallery/pattern/Modelo_Iberoamericano_A_Publicas_V_2013_Portugues.pdf. [con-sultado em 05-09-2014].

Karpouzas, A. (2006). “Análise do processo de formação de estratégias em organizações do Terceiro Setor: Um estudo de caso em duas ONG’S comunitárias” (Dis-sertação de Mestrado). Porto Alegre: Universidade Ca-tólica do Rio Grande do Sul. Disponível em http://tede.pucrs.br/tde_arquivos/2/TDE-2006-10-31T171229Z-93/Publico/384255.pdf. [consultado em 31-08-2014].

Martins, A. (2008). “Qualificar, um Desafio para a Sus-tentabilidade do 3º Sector”. In Semana da Respon-sabilidade Social (3ª edição). Elo Social. Lisboa: Centro Cultural de Belém, 10 a 13 de março.

Passos, A. (2004). Balanced Scorecards e Mapas Estratégi-cos: Proposta de implantação no TCU. Palmas: Centro Universitário Luterano de Palmas.

Portugal. Presidência do Conselho de Ministros. (1997). Resolução do Conselho de Ministros nº 197/97 (Pro-cede ao reconhecimento público da denominada "rede social"). Diário da República — I Série-B nº 267 de 18-11-1997.

Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (2013). Agenda de Ação para o Desenvolvimento Sustentável (Relatório para o Secretário Geral da ONU), s.l.: SDSN. Disponível em http://unsdsn.org/wp-content/uploads/2014/02/130619-Uma-Agenda-de-A%C3%A7%C3%A3o-Para-o-Desenvolvimento-Sustent%C3%A1vel-US-LETTER.pdf. [consultado em 12-09-2014].

Rossi Jr., L. R. (1998). “A gestão para resultados como ferramenta administrativa nas organizações do Terceiro Setor” (Dissertação de Mestrado). São Paulo: Funda-ção Getúlio Vargas. Disponível em http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/5714/1199901944.pdf?sequence=1. [con-sultado em 13-10-2014].

Salamon, L. (1997). “Estratégias para o fortalecimento do terceiro sector”. In: Ioschpe, E. B. (Org). 3º Setor: Desenvolvimento Social Sustentado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, pp. 89-111.

Santos, G. Q. (2013). “Satisfação dos colaboradores de uma Instituição Particular de Solidariedade Social – IPSS” (Dissertação apresentada como parte dos requi-sitos para obtenção do grau de Mestre). Porto: Uni-versidade Fernando Pessoa. Disponível em http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/3876/1/Satisfa%C3%A7%C3%A3o%20dos%20Colaboradores%20de%20uma%20IPSS%20-%20Estudo%20de%20Caso%20-%20Guilherme%20Santos.pdf. [consultado em 23-10-2014]. [consultado em 23-10-2014].

Santos, Marcos & Baltazar, M. da S., (2015) O 3º setor e as redes sociais concelhias face aos desafios colocados no ciclo 2014-2020, XII Congresso Luso-Afro-Brasileiro/1º Congresso da AICSHLP – Imaginar e Repensar o Social: Desafios às Ciências Sociais em Língua Portuguesa - 25 Anos Depois, 1 -5 de Feve-reiro de 2015, Lisboa, FCSH/UNL, pp 1486-1496.

Santos, M. O. (2019). Portefólio 14-20 (instrumento es-tratégico para promover a identidade e a capacitação de organizações do terceiro setor): Contributo para a Inovação Social em Países de Língua Oficial Portu-guesa. In: Verga, Matos P. V. et al (Edits). Inovação Social. Estudo de Casos na Comunidade de Países de Língua Portuguesa. Lisboa: Almedina, pp. 187-211.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN impresso: 2183-9220   |   ISSN eletrónico: 2184-2647

Revista Indexada no Diretório e Catálogo  do Latindex com o Folio n.º  26777

 Apoios:
CICS.NOVA

Com a colaboração técnica dos Serviços de Informática da Universidade de Évora