Formação e desenvolvimento profissional dos docentes de língua gestual portuguesa (Grupo de recrutamento 360)

Luísa Freitas

Resumo


A Educação de Surdos é um contexto específico e complexo que requer práticas e processos especiais para que o educando possa alcançar um desenvolvimento integral. Neste contexto educativo tão exigente, a formação inicial e contínua de professores, nomeadamente os de Língua Gestual Portuguesa, deve entender-se não só como o meio de aquisição de conhecimentos e competências para agir no contexto educativo como também um meio para o desenvolvimento de dimensões pessoais e culturais. Considerando a recente criação do Grupo de Recrutamento 360 (Dec. – Lei 16/2018 de 7 de março) pretendemos, através de uma reflexão crítica decorrente do trabalho de Doutoramento (Freitas, 2017), debruçar-nos sobre a formação inicial e a profissionalização destes professores. Além de preparar estes profissionais para a adoção e implementação de práticas adequadas, inovadoras e eficazes, nas aulas que virão a lecionar, deverá também constituir-se como um momento de questionamento e como consolidação identitária de uma classe profissional e de uma comunidade linguística.


Texto Completo:

PDF

Referências


ACEF/1516/10037 — Relatório final da CAE – dis-ponível em https://www.a3es.pt/sites/default/files/ACEF_1516_10037_acef_2015_2016_aacef.pdf

Afonso, C. (2004). Dos discursos e das possibilidades de con-strução de um currículo contra-hegemónico na educação de sur-dos. Tese de Doutoramento, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto.

Associação Portuguesa De Surdos (2012). Contributo para a reflexão sobre o Decreto-Lei 3/2008. Disponível em .

Alarcão, I. (1989). Preparação didáctica de um enquadra-mento formativo-investigativo. Inovação, 2 (1), 31 – 36.

Alarcão, I., Roldão, M. (2008). Supervisão. Um contexto de desenvolvimento profissional dos professores. Ramada: Edições Pedago.

Alarcão, I., Tavares, J. (2003). Supervisão da Prática Pedagógi-ca – Uma Perspectiva de Desenvolvimento e Aprendizagem. Coimbra: Almedina

Amaral, M., Coutinho, A., Delgado-Martins, M. (1994). Para uma Gramática da Língua Gestual Portuguesa. Lisboa: Caminho

Andersson, Y. (2009). O mundo surdo. O gesto e a palavra 2. Lisboa: Caminho

Andrade, A., Araújo e Sá, M. (1989). Didáctica e formação em didáctica. Inovação, Vol 2, nº 2, 133-144.

Andrade, A.; Sá M. (1992). Didáctica da Língua estrangeira – O ensino das línguas estrangeiras: orientações para uma abordagem comunicativa. Rio Tinto: Edições Asa.

Baptista, M. (1999). Alguns Aspectos Lexicais e Morfo-sintácticos da Língua Gestual Portuguesa. Tese de Mestrado em Psicolinguística, Faculdade de Letras da Univer-sidade de Lisboa, Lisboa

Baptista, M. (2004). Compreensão Sintáctica do discurso oral em crianças Surdas Pré-linguísticas com Implantes Cocleares. Tese de Doutoramento em Ciências da Educação, Universidade Católica Portuguesa.

Bairrão, J. (1998). Os alunos com necessidades educativas espe-ciais: subsídios para o sistema de educação. Lisboa: Ministé-rio da Educação – Conselho Nacional de Educação, 1998

Cabral, E. & Coelho, O. (2006). Uma língua nas nossas mãos: argumentos para uma educação bilingue dos surdos. Formação de Professores de Línguas Estrangeiras: Reflexões, Estudos, Experiências (pp. 215-221). Porto: Porto Editora

Coelho, O. (2004). Formação de surdos: ao encontro da legitimidade perdida. Educação, Sociedade e Culturas, 22.

Coelho, O. (2005). (Coord). Perscrutar e escutar a surdez. Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento

Coelho, O. (2007). Construindo carreiras: (re)desenhar o percur-so educativo dos surdos a partir de modelos bilingues. Tese de Doutoramento em Ciências da Educação, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto.

Coelho, O. (2010). Os estudos sobre as línguas gestuais e a emergência do modelo socioantropológico. Um copo vazio está cheio de ar: assim é a surdez. Porto: Livpsic.

Coelho, O. & Mendes, B. (2014). Crianças surdas implan-tadas, trabalho pedagógico e envolvimento parental numa perspectiva de educação bilingue (pp. 129-146). Educação de surdos em debate. Curitiba: Ed. UTFPR.

Fernandes, E. (2003). Linguagem e Surdez. Porto Alegre: Artmed.

Freitas, L. (2011). Mãos que aprendem – O ensino da LGP como Língua Segunda. Dissertação de Mestrado em Su-pervisão Pedagógica e Formação de Formadores, Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação da Universidade de Coimbra, Coimbra.

Freitas, L. (2017). Elaboração e Avaliação de um Guia Prático para o Ensino de LGP como Segunda Língua. Dissertação de Doutoramento em Supervisão Pedagógica e Formação de Formadores, Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação da Universidade de Coimbra, Coimbra.

Gomes, M. (2014). As políticas para a educação de sur-dos em Portugal: das orientações internacionais à re-contextualização nacional. Educação de surdos em debate. Curitiba: Ed. UTFPR.

Grácio, A. (2014). Recomendação: Políticas Públicas de Edu-cação Especial. Lisboa: Conselho Nacional de Educação.

Moreira, A.; Macedo E. (Orgs.) (2002). Currículo, práticas pedagógicas e identidades. Porto: Porto Editora.

Quadros, R. (1997). Educação de Surdos. Porto Alegre: Artes Medicas

Sá, N. (1997). Discurso surdo: a escuta dos sinais. Edu-cação e Exclusão, Abordagens sócio-antropológicas em Edu-cação Especial (pp. 169-192). Porto Alegre: Ed. Medição.

Schon, D. (1987). Educating the Reflective Practitioner: how Professionals Think in Action. New York: Basic Books

Smith, C., Lentz, E., M., Mikos, K. (2008). Signing Natural-ly, Teacher’s Answer Key, Units 1 – 6. San Diego: Dawn-Sign Press.

Smyth, J. (1984). Clinical Supervision as teacher controlled professional development. The Forum of Education

Skliar, C. (1997). Una mirada sobre los nuevos movimientos pedagógicos en la educación de los sordos. Disponível em https://cultura-sorda.org/wp-content/uploads/2015/03/Una-mirada-sobre-los-nuevos-movimientos-pedagogicos.pdf

Vieira, M., C. (2008). A aquisição de uma Língua Segunda: muitas questões e algumas respostas. Disponível em http://repositorio.esepf.pt/handle/10000/23


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN impresso: 2183-9220   |   ISSN eletrónico: 2184-2647

Revista Indexada no Diretório e Catálogo  do Latindex com o Folio n.º  26777

 Apoios:
CICS.NOVA

Com a colaboração técnica dos Serviços de Informática da Universidade de Évora