Escolarização e segmentação da indústria criativa: estudo dos estabelecimentos do município de Porto Alegre em 2016

Judite Sanson Bem, Moisés Waismann Waismann, Margarete Panerai Araujo

Resumo


Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, através de suas regiões  do Orçamento Participativo apresentava mais de 21.000 estabelecimentos ou unidades criativas empresariais, em 2016. O objetivo geral deste artigo é descrever um panorama dos gestores quanto à sua escolarização nos diferentes segmentos das indústrias criativas, destacando a distribuição dos segmentos por região. O método utilizado foi qualitativo com uso de técnicas descritivas e bibliográficas, bem como o uso de dados estatísticos obtidos junto a Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Concluiu-se que os diferentes perfis dos gestores desta pesquisa estavam associados, entre outros: ao tipo de segmento em que seu negócio está inserido, que há atividades que deveriam apresentar um perfil mais arrojado em se tratando de escolarização, havendo muito potencial para se expandir. Percebeu-se, também, que os segmentos mais intensivos em tecnologia já apresentavam à época da pesquisa uma maior formação profissional de seus gestores.


Texto Completo:

PDF

Referências


BARBA, Alfonso Hernández. Dilemas para los gestores culturales, una propuesta formativa con cinco ejes. IV Seminário Políticas Culturais: Reflexões e Ações. Rio de Janeiro, Setembro de 2009. Fundação Casa de Rui Barbosa. Disponível em: http://www.casaruibarbosa.gov.br/dados/DOC/palestras/Politicas_Culturais/IV_Seminario_Reflexoes_e_acoes/FCRB_Dilemas_en_la_formacion_de_los_gestores_culturales.pdf. Acesso em: 03.11.2018.

BAUDRIER, Simon. L ' impact du capital humain et du capital social des pme sur les collaborations internationales. Décembre 2013. Université du Québec. Exigence partielle de la Maîtrise en Administration des Affaires. disponível em : http://depot-e.uqtr.ca/7516/1/030826345.pdf. Acessado em: 17 de abril de 2019.

BOUQUILLION, Philippe; LE CORF, Jean-Baptiste. Les industries créatives et l’économie créative dans les rapports officiels européens. Mai 2010.

Rapport pour le département des études, de la prospective et des statistiques du ministère de la Culture et de la Communication. Disponível em: http://www.observatoire-omic.org/pdf/1110743245Bouquillion_LeyCorf_Icrea_Europe_rapport_OMIC_1.pdf. Acesso em: 16 de abril de 2019.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas – sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

CHANTELOT, Sébastien. La thèse de la « classe créative » : entre limites et développements. Géographie, économie, Société. 11 (2009) 315-334. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-geographie-economie-societe-2009-4-page-315.htm. Acesso em: 24 de abril de 2019.

CUNNINGHAM, StuarT D. From cultural to creative industries: Theory, industry, and policy implications. Media International Australia Incorporating Culture and Policy: Quarterly Journal of Media Research and Resources, 2002. Disponível em: http://eprints.qut.edu.au/588/1/cunningham_from.pdf. Acesso em: 25.10.2018.

DELUIZ, Neise. A globalização econômica e os desafios à formação profissional. Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p.15-21, maio/ago 1996.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Delírios da razão: crise do capital e metamorfose conceitual no campo educacional. In: GENTILI, P. (Org.) A Pedagogia da Exclusão. 12.ed. Petrópolis, 2005.

GEORGE, Gerard, & ZAHRA, Shaker. Culture and its consequences for entrepreneurship. Entrepreneurship Theory and Practice, 26, 5-8. 2002.

HOWKINS, John. Economia criativa: como ganhar dinheiro com ideias criativas. São Paulo: M. Books do Brasil Editora LTDA. 2013.

INOVAPOA. Mapa das oportunidades e tendências da economia criativa para a cidade de Porto Alegre. Instituto Soleil de Pesquisa. Porto Alegre: PMPA, 2016.

KHODJA, Mahdia. Le capital humain canadien: quel effet sur la croissance économique? Maîtrise en économique université du québec à montréal. août 2013. Disponível em: https://archipel.uqam.ca/5908/1/m13089.pdf. Acessado em: 16 de abril de 2019.

KONDER, Leandro. O futuro da filosofia da práxis. Rio de Janeiro: Vozes, 1992

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico. 4.ed. São Paulo: Atlas, 1992.

NASCIMENTO, Paulo A. Meyer M.; GUSSO, Divonzir Arthur; MACIENTE, Aguinaldo Nogueira. Breves notas sobre escassez de mão de obra, educação e produtividade do trabalho. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/4113. Acessado em: 05.11.2018.

NONAKA, Ikujiro.; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

ROODHOUSE, Simon. The cultural industries: creative definitions, quantifications and practice. 248p. Doctorate by Public Works. Middlesex University’s Research. Disponível em: http://eprints.mdx.ac.uk/6233/. 2009. Acesso em: 12.11.201.

TOWSE, Ruth. Creative industries. In TOWSE, Ruth( edited). A Handbook of cultural economics. 2ª ed. Cheltenham: UK, Northampton: MA, USA: Edward Elgar. 2011, p. 125-131.

NACIONES UNIDAS PARA LA EDUCACIÓN, LA CIENCIA Y LA CULTURA (UNESCO). Informe Sobre La Economía Creativa. Ampliar Los Cauces De Desarrollo Local. 2013. Edición Especial. Paris: Naciones Unidas/PNUD/ UNESCO, 2014. Disponível em: http://www.unesco.org/culture/pdf/creative-economy-report-2013-es.pdf. Acesso em: 03.01.2019.

UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT (UNCTAD). Creative Industries and Development. Document Td(xI)/BP/13). Genebra: Nações Unidas. Disponível em www.unctad.org/en/docs/tdxibpd13_en.pdf. Acesso em: 2.11.2018.: Indústrias Criativas e o Desenvolvimento (Documento TD(XI)/BP/13 de junho de 2004)


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN impresso: 2183-9220   |   ISSN eletrónico: 2184-2647

Revista Indexada no Diretório e Catálogo  do Latindex com o Folio n.º  26777

 Apoios:
CICS.NOVA

Com a colaboração técnica dos Serviços de Informática da Universidade de Évora