Caraterização de projetos de Educação pelos Pares na área do consumo de substâncias psicoativas

Mara Silva

Resumo


As intervenções de Educação pelos Pares no âmbito do uso de substâncias psicoativas têm crescido bastante nas últimas décadas. Porém, a maioria dos estudos têm procurado avaliar projetos específicos, faltando investigações que caraterizem em profundidade esta prática. Para responder a esta necessidade, realizámos um levantamento e caraterização dos projetos de Educação pelos Pares portugueses. Este trabalho foi realizado com a colaboração dos seus responsáveis, que responderam a uma entrevista estruturada, fornecendo-nos dados sobre os projetos, entidades promotoras, bases teóricas, metodologias, grupos-alvo e resultados dos mesmos. A informação recolhida foi tratada através de uma técnica de análise de conteúdo. Esta investigação permitiu-nos caraterizar 37 projetos na área do consumo de substâncias psicoativas, que se dirigem sobretudo a jovens, mas também a adultos. Apesar de se verificarem algumas fragilidades ao nível teórico e prático no desenvolvimento dos projetos, os resultados alcançados foram, no geral, positivos. Foi possível edificar uma tipologia dos projetos caraterizados que pode ser útil a todos os que se interessam por esta estratégia de intervenção social e de promoção da saúde – a Educação pelos Pares.


Texto Completo:

PDF

Referências


Bagnall, A.; South, J.; Hulme, C. et al. (2015). A system-atic review of the effectiveness and cost-effectiveness of peer education and peer support in prisons. BMC Public Health, 15, 290. Doi.10.1186/s12889-015-1584-x.

Bandura, A. (1977). Social learning theory. Upper Saddle River: Prentice Hall.

Becker, H. S. (1973). Outsiders. Studies in the Sociology of de-viance. New York: The Free Press.

Brito, I. & Mendes, F. (2012). PEER: Avaliação de pro-jetos de Educação pelos Pares. In: I. Brito & F. Mendes (Eds). PEER IV: Escola de Verão em Educação pelos Pares & Investigação Ação Participativa em Saúde. Coimbra: Edições Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, 47-56.

Calazans, G.; Kiss, L.; Capellini, S. et al. (2006). Plantões Jovens: acolhimento e cuidado por meio da educação entre pares para adolescentes e jovens nos Centros de Testagem e Aconselhamento – CTA. Saúde e Sociedade, 15(1), 22-36.

Campbell, S. (2005). Using peer education projects to prevent HIV/AIDS in young people. Nursing Standard, 20(10), 50-55.

Campbell, C.; Scott, K.; Mupambireyi, Z.; et al. (2014). Community resistance to a peer education programme in Zimbabwe. BMC Health Services Research, 14(574), 1-10.

Ghasemi, V.; Simbar, M.; Rashidi, F. et al. (2019). The Effect of Peer Education on Health Promotion of Iranian Adolescents: A Systematic Review. International Journal of Pediatrics, 7(3), 9139-9157.

Klein, L.; Ritchie, J.; Nathan, S. et al. (2014). An explan-atory model of peer education within a complex medicines information exchange setting. Social Science & Medicine, 111, 101-109.

McDonald, J.; Roche, A.; Durbridge, M. et al. (2003). Peer Education: From evidence to practice, An alcohol and other drugs primer. Flinders University of South Australia, Adelaide: National Centre for Education and Training on Addiction (NCETA).

Parkin, S. & McKeganey, N. (2000). The Rise and Rise of Peer Education Approaches. Drugs: Education, Prevention & Policy, 7(3), 293-310.

Santos, M. (2009). Desenvolvimento de Competências Profis-sionais com a Educação pelos Pares, Estudo de Caso. Dissertação em Ciências Biomédicas, orient. de Irma Brito, Universidade do Porto.

Shiner, M. (1999). Defining peer education. Journal of Adolescence, 22, 555-566.

Silva, A. S. & Pinto, J. M. (Eds) (1989). Metodologia das Ciências Sociais. Afrontamento: Porto.

Silva, M. (2015). A Educação pelos Pares: Críticas a uma estratégia de intervenção social. ComTextos, ISSN2182-7672, Braga: CICS – NOVA, Universidade do Minho.

Silva, M. & Matos, A. (2014). Educação pelos Pares, Jo-vens e Droga: análise da produção científica portuguesa. In P. Delgado, S. Barros, C. Serrão et al. (Eds). Pedago-gia/Educação Social - Teorias & Práticas: Espaços de investigação, formação e ação, Porto: Escola Superior de Educação do Por-to, 319-323.

Svenson, G. (Coord.) (2001). European guidelines for youth AIDS peer education. Department of Community Medicine: Lund University.

Tajfel, H. & Turner, J. C. (1986). The social identity the-ory of inter-group behavior. In S. Worchel & W. G. Austin (Eds.). Psychology of Intergroup Relations. Chicago: Nelson-Hall, 33-47.

Turner, G. & Sheperd, J. (1999). A method in search of a theory: peer education and health promotion. Health Educa-tion Research, 14(2), 235-247.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN impresso: 2183-9220   |   ISSN eletrónico: 2184-2647

Revista Indexada no Diretório e Catálogo  do Latindex com o Folio n.º  26777

 Apoios:
CICS.NOVA

Com a colaboração técnica dos Serviços de Informática da Universidade de Évora